Semana 6 | Plano de oração e leitura

Uncategorized Oct 07, 2019

Parabéns! Chegamos à semana final. Você pode declarar gratidão por meio desse jejum?

 

Na semana passada, estávamos orando pela colheita. Esta semana, vamos orar por nossa primogenitura e o chamado para dar frutos, para que possamos co-governar com Ele.

Outubro 7 - Unção mais que vencedores

Hoje, vamos orar pela unção “mais que vencedores,” que vai se manifestar nos últimos tempos, nos capacitando a dar mais frutos. Deus está levantando um exército poderoso, que será grandemente usado por Ele para levar vida e restauração a diferentes ambientes; esse exército será formado por filhos transformados – que serão transformadores.

Se você quiser saber mais sobre o curso filhostransformadores, visite nosso site, institutoclamor.com

Hoje, se concentre na oração. Peça a Deus: sabedoria para vencer a batalha pela colheita e se tornar frutífero!

Devido a nossa mentalidade “industrializada”, perdemos um pouco do contexto da realidade agrária, dentro da qual a Palavra foi escrita. Se observarmos com atenção, podemos notar que as grandes promessas para sermos frutíferos e nos multiplicar estavam associadas a uma descendência que tinha posse de terras, tanto para cultivo quanto para criação de gado. Entretanto, examinando as escrituras, a realidade no que tange à colheita é muito mais ampla e precisamos receber entendimento... Ore pelo seguinte:

 

  1. Colheita de justiça pessoal, que passamos a produzir ao caminhar no Espírito.
  2. Nossos filhos são nossa colheita.
  3. As famílias são colheitas.
  4. Povos e nações também são colheitas.

 


Outubro 8. Graça apostólica

Ore para que a graça apostólica se manifeste sobre sua vida, a vida de seus filhos, de sua família e da igreja - trazendo libertação; conquista; edificação e descanso.

 

Existem ao menos cinco batalhas, nas quais o Senhor nos entrega a unção de VENCEDOR. Peça a Deus, que lhe dê unção e estratégia para vencer essas batalhas:

  1. Batalha pela colheita e para ser frutífero;
  2. Batalha pela adoração;
  3. Batalha pela herança;
  4. Batalha pelo governo e descanso;
  5. Batalha pela Fé.

 

Peça a Deus revelação sobre os conceitos da realidade espiritual, no que diz respeito à colheita e a ser frutífero; que Ele te mostre como identificar os inimigos que devem ser vencidos; e o mais importante: quais despojos devem se recuperados.

 


Outubro 9. A unção de um VENCEDOR é a unção de reis e sacerdotes

Essa unção nos leva de volta ao nosso mandato original: “ser frutífero, nos multiplicar e governar.”

A unção “mais que vencedor” nos leva a lutar e a pleitear por nossa herança de primogenitura, de modo que possamos deixar um legado para outras gerações. Portanto, hoje, ore:

  1. Para que haja libertação; conquista; edificação e descanso; e assim, sejam interrompidos os ciclos de fome espiritual e esterilidade.
  2. Para que através da unção “mais que vencedores,” possamos acabar com a maldição da insignificância, futilidade e escassez - que uma geração não deve passar à próxima, fazendo com que tenha que recomeçar do zero... Essa maldição deve ser quebrada!

 


Outubro 10. restauração da unção sacerdotal

 

  1. Hoje, ore para você caminhar na unção “mais que vencedores.”
  2. Ore pela restauração da unção sacerdotal em sua linhagem familiar. A batalha da colheita diz respeito a isso: obter a restauração do sacerdócio - pois sem sacerdócio, não há frutos nem tampouco multiplicação.

Falamos sobre a restauração da unção sacerdotal e o direito de primogenitura,  no Módulo 2 do curso “Filhos Transformadores”, que tem duração de um ano e é dividido em 4 módulos (Avivamento, Restauração, Governo e Transformação Social). Ao finalizar o curso, você vai compreender o que é unção sacerdotal, qual seu efeito sobre a designação de dar frutos; assim como a relação entre unção sacerdotal e unção de governo (reis).

Se você deseja navegar pelas águas mais profundas da Palavra - não perca a oportunidade de ser treinado! Acesse: institutoclamor.com

 


Outubro 11. Uma vida cristã de porção dobrada

Como filhos de Deus, fomos chamados para viver uma vida cristã de porção dobrada. Essa é a graça que nos foi dada através de Cristo: ser mais que vencedores e por meio da maturidade, levar Sua noiva ao lugar de governo que as nações necessitam.

Ore para que Deus lhe dê uma visão geracional, que possa direcioná-lo aos propósitos eternos que Ele traçou para as próximas gerações.

Ore para que Deus faça de você um EDIFICADOR de lares, que entende os tempos e os Seus  projetos – desse modo, podendo estabelecer planos e desenvolver estratégias para as nações.

Ore por tudo o que você recebeu durante a realização desse jejum - proposto não apenas para te treinar na prática da Palavra, mas para te trazer conhecimento e te ativar em seu chamado.

 


Outubro 12– Cristo, A árvore que produz vida

Quando nos propomos a estudar profundamente, sobre nossa identidade e propósito, entendemos a imperativa necessidade de falar sobre a restauração do sacerdócio. Somos real sacerdócio (1 Pedro 2:9). Isso nos incita a explorar aspectos referentes aos “trabalhos sacerdotais,” daquela época, basicamente compostos pela “apresentação de sacrifícios” e que hoje podem ser comparados à “tarefa de produzir frutos de justiça,” que requer de todo cristão: “dependência, permanência e apresentação de suas próprias vidas” - como sacrifício vivo!

Uma vida que dá frutos cumpre com seus trabalhos sacerdotais, pois demanda exercer a vontade do Pai, acima de sua própria vontade e caminhar debaixo do Senhorio de Cristo. É assim que nos fazemos justiça por aquEle que se fez pecado por nós: usando o livre-arbítrio  com domínio próprio e fazendo de nossa vontade uma oferta de sacrifício – que se converte em primícias.

Uma vida de frutos é advinda de uma vida de rendição; e uma vida de rendição é uma oferta de primícias para Deus.

O significado de “Primícias” é “dar o primeiro e o melhor para Deus!” Faça isso de sua oração, hoje... E que sua vida seja sempre - uma oferta de primícias para o Pai!

 


Outubro 13. O objetivo da Árvore da vida é a transformação

O alimento sustenta a vida. Por isso, no Jardim do Éden, Deus se apresentou a Adão e Eva como Árvore da Vida, de modo que eles podiam se alimentar d’Ele e se fortalecer n’Ele.

Deus deseja que comamos da Árvore da vida, de modo que possamos dar mais frutos. Uma pessoa não pode viver sem comer... O desejo no coração de Deus consistia em que o homem aprendesse a viver na dependência d’Ele, tomando-O como sua provisão diária e total - e este princípio ainda prevalece.

Os frutos são resultado de nossa dependência, comunhão e intimidade com Deus.

“Permanecei em mim, e eu permanecerei em vós. Como não pode o ramo produzir fruto de si mesmo, se não permanecer na videira, assim, nem vós o podeis dar, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira, e vós os ramos, quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer.”

João 15:4-5 (RVR1960)

 As palavras “permanência e dependência” são chaves, pois dependência fala de “fidelidade” - uma das características que devemos desenvolver, enquanto como filhos-servos.

Comer nos permite viver e existir. Parece interessante, mas uma das primeiras indicações que Deus deu ao homem foi que ele comesse... Existe uma relação muito íntima entre o ato de se alimentar e a comunhão.  O homem tem que reaprender a se alimentar d’Ele.

 A vida em Cristo não está apenas relacionada a fazer a obra e servir a Deus; mas especialmente, a carregar a semente e fazer parte da Árvore da vida.

Em João 6:35 Jesus lhes disse: “Eu sou o pão da vida; o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede.”;“Assim como o pai, que vive, me enviou, e eu igualmente vivo pelo Pai, também quem de mim se alimenta por mim viverá.” (João 6:57).

Por causa da queda do homem, a Árvore da vida (que vemos em Gênesis 3) se transforma em um cordeiro. Cristo é a Árvore e o Cordeiro. O sumo sacerdote e apóstolo de nossa fé, a videira verdadeira - teve que se fazer de oferta.

Em João 6, o Senhor nos diz que Ele é o pão da vida. O pão da vida é também a árvore da vida. Ambos provêm da vida botânica, da vida vegetal, mas no mesmo capítulo 6, Jesus também se apresenta como pão da vida: “Por que minha carne é verdadeiramente comida e meu sangue, verdadeiramente bebida.” (João 6:55).

No campo natural, é impossível que um pão tenha sangue. Mas, conforme a dinâmica espiritual, o pão da vida inclui o sangue.  Se a queda de Adão nos privou de entrar no Éden, onde está a Árvore da vida, o poder redentivo do sangue do Cordeiro nos devolveu total acesso.

Ore agradecendo a Deus por esses 40 dias de jejum; peça ao Pai que revele seu Amor por você e que o Espírito Santo sele esse momento.

 

Foi uma bênção compartilhar com você esses 40 dias. Gostaríamos de ler seus testemunhos e compartilhar de seu aprendizado. Entre em contato conosco [email protected]

 

Close

75% Complete

Two Step

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.